• Theodora

Armando Freitas Filho

Updated: Oct 8, 2019




Onde minha mãe acaba

comigo, e eu começo, onde

meu pai, no quarto escuro

se move sobre ela, murmura

e se altera, onde eu, de novo

despido, não esbarro, passo

no corredor estreito, entre

os dois raspando, onde ela para

e ele recomeça, onde eu cresço

onde ela espera o arremesso dele

meu, onde eu, onde ela, onde ele

onde nós, apertados, apartados, curtos

nos cruzamos, com a luz apagada?


Where my mother ends

within me, and I begin, where

my father, in a dark room

moves over her, whispers

and shifts, where I, naked

again, don’t stumble, walk through

the narrow corridor, among

the two grazing, where she stops

and he starts again, where I grow

where she waits for his hurling

mine, where I, where she, where he

where we, crumpled, divided, reduced

meet, with the lights off.


Armando Freitas Filho


translated by Flávia Rocha


0 views
  • w-facebook
  • Twitter Clean
  • w-flickr