Updated: Apr 23



(Foto: Teno Silva)


ansiedade

já tem mais de um minuto

que mandei a mensagem

não sei se esquecimento

indiferença não sei

caixa de spam quem sabe

só sei que até agora

nada de resposta



anxiety

it's been over a minute

since i sent the message

am i forgotten

is it indifference

has it becomespam

so far all i know

is there’s no reply



rua

tuas casas de

vitorianas faces

têm por dentro corredor

quarto-banheiro

cozinha-sala

não têm quarto

de empregada

tuas calçadas

são planas

porque são tuas

não das casas

também curto

teus muros baixos

modelo minissaia



street

your houses with

victorian facades

inside have corridors

bedrooms-bathrooms

kitchen-living rooms

but not a maid’s

room

your pavements

are flat

because they are yours

not the houses

i also like your

low walls

miniskirt mode



romana

tuas cinzas de incêndios

escondem brasas sob ruínas

em teus prédios espelhados

vejo reflexos do teu passado

tempo em que o teu nome

era escrito em fonte romana

em que antes de ser londres

te chamavam londinium

incêndios te devoraram

com fome de ventania

todas as tuas muralhas

pelo tempo derrubadas

prefiro falar das flores

que brotam dos teus restos



roman

your ashes of fires

hide embers under ruins

in your mirror-clad buildings

i see reflections of your past

a time when your name

was written in roman font

when before being london

they called you londinium

fires devoured you

with the hunger of a gale

all your walls

by time demolished

i’d rather talk about the flowers

that spring from your remains



dual

duas janelas

dois mundos

quadros da paisagem

molduras de um relógio

sequências fotográficas

frame a frame projetadas

enquadram os dias

na passagem das horas

duas janelas abertas

sobrepostas se mesclam

feito abraço de contrários

realidades se entrelaçam

realidades que se imitam

e mutuamente se negam

na tela do desktop

na parede da sala

real e virtual

vice-e-versa



dual

two windows

two worlds

landscape paintings

clock cases

photographic sequences

projected frame by frame

encase the days

in their passing hours

two open windows

overlapped and merged

like opposites embracing

realities intertwining

realities imitating one another

and mutually denying each other

on the desktop screen

on the wall of the room

real and virtual

vice-versa



identidade

há os dias

em que sonho

ter nome assim

tipo banksy ser

sinônimo

de anônimo



identity

there are days

when i dream

of having a name

like banksy to be

synonymous

with anonymous


Silvino Ferreira Jr


Translated by ©Anne-Marie Glasheen


SILVINO FERREIRA JR é redator e poeta. Como redator, trabalhou em grandes agências de publicidade no Brasil e em Portugal. Como poeta, vem publicando coletâneas de poemas, sempre de forma independente, desde 1985. Virtual, seu quinto livro, reúne poemas que abordam temas universais usando elementos da linguagem digital, mas também a relação com Londres, onde vive desde 2006, e os conflitos entre a língua materna e o inglês, como língua adotiva. Ele e a esposa, a inglesa Susan Ferreira, são fundadores e diretores do Canallondres.tv.


SILVINO FERREIRA JR is a copywriter and poet. As a copywriter, he has worked for major advertising agencies in Brazil and Portugal. As a poet, he has self-published collections of poetry since 1985. “Virtual”, his fifth book, brings together poems that use elements taken from the digital language to address universal themes, as well as his relationship with London, where he has lived since 2006, and the conflicts between his mother tongue and his adopted language, English. He and his English wife, Susan Ferreira, are the founders of Canallondres.tv which they manage.

Updated: Apr 21





CORONA BEER DIARIES

I saw myself shaking and trembling while crossing the street,

then I saw a man stepping 2 meters away from me as he saw me

both of us shaking and trembling in the street

I quickly went back home and started reading the DECAMERON..

In fact, I grew up in a family which sadly, forbid me to be weak- this morning, as a local doctor has come to see me I noticed how tired he was. I asked him if he was OK, to which he said "Oh, if you had only known how I'd feel!"


I said I knew exactly how he felt.


He said: How's so?


I said I remember my mother telling me the story- when she was 19 and the first year student of Medicine, she was taken to Sremski Front. It was like the battle at Stalingrad, I explained to which the doc said


"WOW!"

So this young girl (my mom) was ordered to make arbitrary choice- her superior was walking with them (the trainees) through the field filled with the wounded and the dying and right there, my mom had to make a very quick choice whether to help one person and let the other one die. The supervisor had ordered them not to examine a soldier longer than 45 seconds. There, they would have detected if ‘he was to be helped’ by the medical staff - or it was simply too late to do anything for him.

The first group of soldiers which could be helped and taken away was GROUP A. The second -which was totally helpless and forlorn was GROUP B. My mother remembered that it was not THAT difficult to stay awake without food or sleep 10 days and 10 nights working endlessly at Sremski field but- the heaviest thing was to be the judge and decide who was going to be saved and who was going to die... Mom said that she would never forget the eyes of the dying and that all of them were only calling "mother, mother help me!"

"WOW!”


Exclaimed my visiting doctor again - this is how I feel right now- the war medicine is the heaviest branch of them all..."

So, dear doc, can YOU tell me- where would you put my case- into group A ...or group B? I asked lightly.


“You just sleep and take paracetamol and after 2-3 weeks- you'll be ok.”

I am quite OK, in fact, as long as I don't have to make decisions and give orders or indictments who is to live and who's to die...

CORONA Beer (2)

If I didn't have to go every 10 to 15 minutes to the toilet, this quarantine would even be fun! However, every picture has its frame, every picture tells a story: there is a story where the most idiotic people call to ask me (they are “sweet” I guess) how I feel. I cough and sneeze and spit blood through my mouth and through nostrils-


the skin tissue ripped-open- is this THE one which Poe called “the Mask of Red Death”?

I don't know... have been through so many of them, even from the times when they changed DNA in my cells (2008) and I saw all people in the form of the angelic visions – in fact, they were very ordinary, all of them- except from an old witch. This prophetess à la Nostradamus, was actually giving a crystal ball clairvoyant session when Marc-Louis brought me to her spooky place.

As soon as I entered the room, the prophetess exclaimed: WHO is, or rather who was a Buddhist nun among you here ?

It's me, it's me, I yelled.

And who used to be a painter in her previous life? she continued.

It's me, it's me, I tweeted again

.

I see you entirely burnt, she said, you are covered with ashes- but like a Phoenix, she continued, YOU will rise from the ashes!

I was so grateful to hear her soothing bullshit. The chemotherapy had burnt all my cells and then, my DNA was changed entirely so that I could live like a bionic woman, and as far as i go--that was fine for me. That was 12 years ago... 


This time around I appeared even more belligerent, as my trip to Kerala in 2014, when I'd caught malaria again ,  taught me that one could die and resurrect several times.


I will challenge this man-made virus, this lousy convention again invented by an even lousier scientist whose nose was dripping with coke and his own experiment-- so why burn my throat and my stomach so drastically now?- NO ONE could convince me that this Batman was using bats- for his batty business ! There must had been something more powerful at his hand…And us humans - we were in this affair all alone- offered to the mercy of bad commerce and distant trade..


Several leaders were competing all over the world in their endeavour to open several V.I. markets, in order to erase the surplus of humans on Earth, as just VERY few computer educated jocks were supposed to work from home. I mean, to work. And the rest of us were not supposed to work- as we were duly supposed to die. Or just try to die, which was fine with me, but as usual, in my case that was a very very bad timing. (do i really sound here  like that scumbag Burroughs?)

What about that book of essays on FILM ? Unfinished.


What about my BOOK Project on Theatre? Not achieved yet...


And the translations... And some new violin scores...? That goes endless.


OK, I take a deep breath: time to meditate in solitude again. For us, creatures of the air (Zodiac Air Sign) and birds, pterodactyls, butterflies, ghosts witches, bubbles of all sorts- it is so darn difficult not to be able to deeply inhale the air... Just that little...


I take a deep breath: One... TWO... THREE, auch auch, cough and spit again. There where was a lung, it's an open window, a sort of a burnt hole. Dark Star, by Ziggy Stardust, specles of white chlorochyde dust..


CORONA beer diaries 3

for my friend Virna T.

I have just returned from the visit to a doctor B. He refused to give me the test as he observed my symptoms “Aha, you answered all my question in positive- so, take the prescription against this ailment and go to the pharmacy. Stay in bed for two weeks and call me back”. he must had been scared from any further visit.


At the pharmacy next to my quarantined home: all the pharmacists were protected by a glass shield. A young fellow who was particularly caring announced: “Do not worry- just take the medication and go back home safely- in two weeks you will develop the antibodies and you will be OK !”


I went back home, but when I looked into my mirror- my face was as white as Alexanriane Sarane's one day before he died in a hospital. However, on that last day of his life, he was cool and kind and loving, professional above all- to write a blurb for my book « Under the Sign of Cyber Cybele ». What a bright example of how a poet should behave!


Then a numerous phone calls have started to flood in. Four of my former husbands have called. Basically- they all had to say the same thing.


Call no 1. : The snazzy and soft voice of my number one has declared : Oh, I just wanted to see how you are doing.. I meant to tell you... hmm, I've always wanted to tell you that I have always loved you and cared for you from the start... This is not a final call, but I just want you to know- I apologize for everything...


YES, I said, what for, sweety?


Well, if I had said or done anything wrong to you... Just to tell you know how much I love you...


Oh, thank YOU! I love you too!

Call no 2. : Hi ! You haven't heard from me for a while, an ever dynamic voice of husband no.2 exclaimed, that's because I've been so busy, so busy dealing with all these insane people, however- you know that I love you, right? I've always loved you, and-- even now, as of this very moment, if you ever wanted to come back to me- you know my doors that is my heart is always open, how do you feel?


Fine, I answered. A bit tired, but I'll be OK.


You'd better be OK, he added, you know we are supposed to meet in London in 3 months... that gives you enough time to recover... this is just to tell you...I apologize for everything!


YES, I said, what for, sweety?


Well, if I had said or done anything wrong to you... Just to tell you know how much I love you...

Oh, thank YOU! I love you too!

Call no 3.


Hello, my dearest Queen of Hearts!


The exuberant voice of no.3 was penetrating my ear through the excellent receiver of my Iphone.

I'm calling you as I have noticed that you posted some alarming notices on your Facebook page... Is it all true? What's wrong with your health now? And not allowing me for a second to respond to his numerous questions, he continued: I hope that you clean your environment, and I DO hope that your son is helping you a bit- that is, I hope that he is well, safe and sound.


Everyone is ok over here, I respond, and I truly hope that YOU take care of yourself as your health has been ever fragile ever since...


Ohhh, he continued - this is just to tell you...I apologize for everything!


YES, I said, what for, sweety?


Well, if I had said or done anything wrong to you... Just to tell you know how much I love you…

Oh, thank YOU! I love you too! I added and wished him good evening, morning time that it was on my side of the planet.

Call no.4 :


Hello... yes, it's ME! No one else but your silly Mini-me who has been really worried…


I interrupted him: about state of the planet in general and my health in particular?


There you go!, he answered and having detected these tired overtones in my voice, he continued :

Do these doctors do anything good for you over there?


Oh, yes, they do, I replied, but they must be really overworked and awfully exhausted themselves, as this huge epidemics advances... and my dear, HOW ARE YOU?


YES I KNOW, he, the most reasonable of them four replied, see, I am a bit on a sickly side too...and my sister is even in a worse condition than I am right now... bu ... this is just to tell you...I apologize for everything. !


YES, I said, what for, sweety?


Well, if I had said or done anything wrong to you... Just to tell you know how much I love you...

Oh, thank YOU! I love you too!

I had not further strength to continue the conversation, as also all these calls appeared a bit repetitive to me.. I could not even remember why I had ever parted from J. or even K. for that matter, whereas T. and M. were plainly not compatible with me, but sweet that they all called almost at the same time! The road of human soal is so winding and unpredictable- this time I also refused to believe that they called in order to redeem their own spiritual selves from darkness- it will be OK, now that all of us walked along that steep path of forgiveness.

I went back to my bed and turned the radio on. The Heroic symphony boomed from it; all of us need that extra encouragement, from time to time.

XXXXXXXXXXX




DIÁRIOS DA CERVEJA CORONA

Eu me vi chacoalhando e tremendo enquanto eu atravessava a rua,

Então vi um homem parando a 2 metros de distância quando ele me viu

Os dois chacoalhando e tremendo na rua

Eu rapidamente voltei para casa e comecei a ler o DECAMERÃO


De fato, eu nasci numa família que infelizmente, me proibiu de ser fraca – esta manhã, quando o médico local veio me ver percebi o quanto ele estava cansado. Perguntei se ele estava OK, e ele disse "Oh, se você apenas soubesse como eu me sentiria!"


Eu disse que sabia exatamente como ele se sentia.


Ele perguntou: Como é então?


Eu disse que lembrava minha mãe me contando a história – quando ela tinha dezenove anos e estava no primeiro ano de medicina, ela foi levada ao Fronte Sremski. Era como a batalha em Stalingrado, eu expliquei ao que o doutor disse


"UAU!"


Então esta jovem garota (minha mãe) foi ordenada a fazer escolha arbitrária – seu superior estava caminhando com eles (os estagiários) pelo campo cheio de feridos e os moribundos e ali mesmo, minha mãe teve que fazer uma escolha muito rápida entre ajudar uma pessoa e deixar a outra morrer. O supervisor ordenou que não examinassem um soldado mais do que 45 segundos. Ali, eles teriam detectados se ‘se ele era para ser ajudado’ pela equipe médica – ou se era simplesmente tarde demais para fazer algo por ele.


O primeiro grupo de soldados que poderia ser ajudado e levado embora era o GRUPO A. O Segundo – que era totalmente


indefeso e lastimável era o GRUPO B. Minha mãe lembrava que não era TÃO difícil ficar acordada sem comida ou dormir 10 dias e 10 noites trabalhando sem parar no campo Sremski, mas - a coisa mais pesada era ser a juíza e decidir quem iria ser salvo e quem iria morrer. Mamãe disse que ela nunca iria esquecer os olhos dos moribundos e que todos eles estavam apenas chamando "mãe, mãe me ajude!"


“UAU!”


Exclamou meu médico visitante de novo – isto é como eu me sinto exatamente agora- a medicina de Guerra é o ramo mais pesado de todos…’

Então, caro doutor, pode VOCÊ me contar – onde você colocaria meu caso – no grupo A… ou grupo B? perguntei gentilmente


“Apenas durma e tome paracetamol e após 2-3 semanas – você estará ok.”

Eu estou bastante OK, de fato, enquanto eu não tiver que tomar decisões e dar ordens ou indiciamentos de quem deve viver e quem deve morrer…




Cerveja CORONA (2)

Se eu não tivesse que ir a cada 10 a 15 minutos ao banheiro, esta quarentena até seria divertida! Entretanto, cada foto tem sua moldura, cada foto conta uma história: há uma história onde as pessoas mais idiotas ligam para me perguntar (eles são “dóceis” acho) como eu me sinto. Eu tusso e espirro e cuspo sangue pela minha boca e pelas narinas-


O lenço de papel rasga-abre- é este aquele que Poe chamou de “a Máscara da Morte Vermelha”?

Eu não sei... Eu já passei por tantas delas, mesmo na época em que eles mudaram o DNA nas minhas células (2008) e eu via todas as pessoas na forma de visões angelicais – de fato, elas eram muito ordinárias, todas elas-exceto uma velha bruxa. Esta profetisa à la Nostradamus, estava na verdade dando uma sessão de clarividência com bola de cristal quando Marc-Louis me levou ao seu lugar assombrado.


Assim que entrei no quarto, a profetisa exclamou: QUEM é, ou melhor quem era uma freira Budista entre vocês aqui?

Sou eu, sou eu, eu gritei.

E quem costumava ser uma pintora na sua vida passada? ela continuou.

Sou eu, sou eu, tuitei novamente.


Eu vejo você completamente queimada, ela disse, você está coberta de cinzas – mas como uma Fênix, ela continuou, VOCÊ irá se levantar das cinzas!

Fiquei tão grata em ouvir sua besteira confortante. A quimioterapia tinha queimado todas as minhas células e então, o DNA foi totalmente alterado para que eu pudesse viver como uma mulher biônica, e até onde estou—isto foi bom para mim. Isto foi há 12 anos atrás... 


Desta vez eu pareci ainda mais beligerante, como minha viagem para Kerala em 2014, quando peguei malária de novo, me ensinou que eu poderia morrer e ressuscitar várias vezes.


Eu vou desafiar este vírus criado pelo homem, esta convenção abominável novamente inventada por um cientista mais abominável ainda cujo nariz pingava de cocaína e seu próprio experimento – então por que queimar minha garganta e meu estômago tão drasticamente agora? NINGUÉM poderia me convencer que esse Batman estava usando morcegos- para o seu negócio maluco! Deve ter havido algo mais poderoso em sua mão… E nós humanos – nós estávamos neste caso totalmente sós – ofertados à misericórdia de mau negócio e comércio distante...


Vários líderes estavam competindo em todo o mundo em seu esforço para abrir vários mercados, a fim de apagar o excedente de seres humanos na Terra, pois MUITOS poucos atletas treinados em computador deveriam trabalhar em casa. Quero dizer trabalhar. E o resto de nós não deveria trabalhar – como deveríamos adequadamente morrer. Ou apenas tentar morrer, o que está bom para mim, mas como sempre, no meu caso esse foi um momento muito, muito ruim. (Eu realmente soo aqui como aquele babaca do Burroughs?)

Que foi feito do livro de ensaios sobre FILME? Inacabado.


E o meu projeto de LIVRO sobre Teatro? Ainda não foi realizado..


E as traduções.. E algumas notas de violino…? Isso é interminável.


OK, eu respiro fundo: tempo para meditar em solidão de novo. Para nós, criaturas do ar (Signo de Ar no Zodíaco) e pássaros, pterodátilos, borboletas, bruxas assombradas de todos os tipos- é difícil pra caramba não ser capaz de inalar o ar profundamente… Apenas aquele pouquinho..


Eu inspiro profundamente: Um... DOIS... TRÊS, cof cof, tusso e cuspo de novo. Havia um pulmão, é uma janela aberta, uma espécie de buraco queimado. Dark Star, por Ziggy Stardust, especulares de poeira branca de clorocido..

Diários da cerveja CORONA 3

Para minha amiga Virna T.

Eu acabo de voltar da visita ao doutor B. Ele se recusou a me dar o teste enquanto observava meus sintomas “Aha, você respondeu positivamente a todas as minhas perguntas - então, pegue a prescrição contra a moléstia e vá à farmácia. Fique na cama por duas semanas e me ligue de volta”. Ele devia estar muito assustado para qualquer visita futura.


Na farmácia perto da minha casa de quarentena: todos os farmacêuticos estavam protegidos por um escudo de vidro. Um jovem camarada que era particularmente cuidadoso anunciou: “Não se preocupe - apenas tome a medicação e volte para casa com segurança - em duas semanas você desenvolverá os anticorpos e você estará OK!”


Eu voltei para casa, mas quando eu olhei no espelho - minha face estava branca como a de Alexanriane Sarane um dia antes dele morrer no hospital. Entretanto, naquele último dia da sua vida, ele estava calmo e gentil e amoroso, profissional acima de tudo - para escrever uma sinopse para meu livro “Under the Sign of Cyber Cybele”. Que brilhante exemplo de como um poeta deve se comportar!


Então numerosas chamadas telefônicas começaram a inundar. Quatro dos meus ex-maridos me ligaram. Basicamente - todos eles tinham a mesma coisa a dizer.


Telefonema no1: A voz elegante e macia do meu número um declarou: Oh, eu apenas queria saber como você está... Eu queria dizer para você... humm, eu sempre quis te dizer que eu sempre te amei e me importei com você desde o início... Este não é um telefonema final, mas eu quero que você saiba – eu peço desculpas por tudo...


SIM, eu disse, pelo que, doçura?


Bem, se eu disse algo ou fiz algo de errado para você... Apenas para que você saiba o quanto eu te amo...


Oh, obrigada! Eu te amo também!

Telefonema no2: Oi! Você não tem notícias minhas há um tempo, uma voz sempre dinâmica do marido no2 exclamou, é porque eu estive tão ocupado, tão ocupado lidando com todas essas pessoas loucas, no entanto – você sabe que eu te amo, certo? Eu sempre te amei, e – mesmo agora, a partir deste exato momento, se você sempre quis voltar para mim – você sabe que as portas que são meu coração estão sempre abertas, como você se sente?


Bem, respondi. Um pouco cansada, mas eu estarei OK.


É melhor você ficar bem, ele acrescentou, você sabe que devemos nos encontrar em Londres em três meses… isso lhe dá tempo suficiente para se recuperar… isso é só para lhe dizer… Peço desculpas por tudo!


SIM, eu disse, pelo que, doçura?


Bem, se eu disse algo ou fiz algo de errado para você... Apenas para que você saiba o quanto eu te amo..


Oh, obrigada! Eu te amo também!


Telefonema no3.


Olá, minha querida Rainha de Copas!


A voz exuberante do no3 estava penetrando meu ouvido através do excelente receptor do meu iphone.


Estou ligando para você pois notei que você postou alguns avisos alarmantes na sua página do Facebook. É verdade? O que há de errado com a sua saúde agora? E não me permitindo um segundo para responder suas numerosas perguntas, ele continuou: Eu espero que você limpe o seu meio ambiente, e EU espero que o seu filho esteja ajudando um pouco - isto é, espero que ele esteja bem, são e salvo.


Todo mundo está ok por aqui, respondi, e eu certamente espero que VOCÊ se cuide como se a saúde estivesse frágil desde já...


Ohhh, ele continuou – isto é só para lhe dizer... Eu peço desculpas por tudo!


SIM, eu disse, pelo que, doçura?


Bem, se eu disse algo ou fiz algo de errado para você... Apenas para que você saiba o quanto eu te amo...


Oh, obrigada! Eu te amo também!! Adicionei e desejei boa noite para ele, hora matinal que era do meu lado do planeta.

Telefonema no4:


Olá... sim, sou EU! Ninguém mais que o seu tolo Mini-eu que tem estado realmente preocupado...


Eu o interrompi: sobre o estado do planeta em geral e minha saúde em particular?


Aí está! ele respondeu e tendo detectado estes tons cansados na minha voz, ele continuou:

Estes médicos fazem algo de bom para você por aí?


Ah, sim, respondi, mas eles devem estar realmente sobrecarregados e exaustos demais, à medida que esta enorme epidemia avança... e meu querido, COMO ESTÁ VOCÊ?


SIM EU SEI, ele, o mais razoável dos quatro respondeu, veja, eu estou um pouco do lado adoentado também... e minha irmã está ainda em pior condição do que eu nesse momento... mas... isto é apenas para dizer... Eu peço desculpas por tudo!


SIM, eu disse, pelo que, doçura?


Bem, se eu disse algo ou fiz algo de errado para você... Apenas para que você saiba o quanto eu te amo...


Oh, obrigada! Eu te amo também!

Eu não tinha mais forças para continuar a conversa, pois todas essas ligações pareciam um pouco repetitivas para mim... Eu não conseguia nem mesmo lembrar por que eu havia me separado de J. ou mesmo de K., enquanto T. e M. claramente não eram compatíveis comigo, mas doce que todos me todos me ligavam ao mesmo tempo! A estrada do solo humano é tão sinuosa e imprevisível - esta vez eu também recusei a acreditar que eles ligaram de forma a redimir seus próprios eus espirituais da escuridão - estará OK, agora que todos trilhamos aquele esse caminho íngreme do perdão.

Eu voltei para minha cama e liguei o rádio. A sinfonia Heroica ecoou; todos nós precisamos daquele encorajamento extra, de vez em quando.

XXXXXXXXXXX


Nina Zivancevic


Tradução: Virna Teixeira





Nina Zivancevic is a poet, essayist, fiction writer, playwright, art critic, translator and contributing editor to NY ARTS magazine from Paris, Serbian-born Nina Zivancevic published 15 books of poetry. She has also written three books of short stories, two novels and a book of essay on Milosh Crnjanski (her doctoral thesis) published in Paris, New York and Belgrade. The recipient of three literary awards, a former assistant and secretary to Allen Ginsberg, she has also edited and participated in numerous anthologies of contemporary world poetry. As editor and correspondent she has contributed to She has lectured at Naropa University, New York University, the Harriman Institute and St.John’s University in the U.S., she has taught English language and literature at La Sorbonne ( Paris I and V) and the History of Avant-garde Theatre at Paris 8 University in France and at numerous universities and colleges in Europe. She has actively worked for theatre and radio: 4 of her plays were performed and emitted in the U.S. and Great Britain. In New York she had worked with the “Living Theatre” and the members of the “Wooster Group”. She lives and works in Paris.






Sobre Un auto pasa, de Julieta Hanono o la desaparición crea un lenguaje poético

Por Gladys Mendía

Julieta Hanono, artista argentina, formada en Bellas Artes y en Filosofía. Fue militante política desde muy joven y secuestrada por los parapolicías en la dictadura de Videla y retenida en El Pozo, centro de detención y tortura en Rosario.

Su obra está edificada alrededor y sobre esta experiencia traumática. Su búsqueda expresiva va por los caminos de la transformación a través de la creación de imaginarios que den cuenta de su proceso personal y forman parte de la memoria del horror que vivió su país en aquellos años. Julieta se ha posicionado como artista a través de diversas obras plásticas y performance que ha presentado en varios países a lo largo de estos años, además de un video titulado El Pozo.

Un auto pasa, es un momento, son segundos. Sin embargo, lo que está detrás de este título es memoria. Un auto pasa, presenta un lenguaje fragmentario, sin tiempo cronológico y simultáneamente en cuatro lenguas, cuatro visiones del mundo. Cuatro formas de sentir. La experiencia individual forma parte de la memoria colectiva. Lo subjetivo es universal.

Transitamos una atmósfera de incertidumbre, de extrañeza. Se mezclan las memorias de Julieta y el secuestro, otros sucesos trágicos y la historia migrante de sus familiares.

Esta poética está estructurada en cambios de foco entre la experiencia personal y la de los otros. Es mi interpretación pensar que ha sido construida así para tomar distancia del propio dolor y reconocer a los otros, crear empatía con el dolor de los otros. Evidenciar algo más profundo que damos por sentado y es la frágil condición humana dependiente de las circunstancias externas. Por un lado, a merced de la violencia sistemática creada por un gobierno totalitario. Por otro, a merced de la guerra y su destrucción, las migraciones forzadas. Apariciones y desapariciones, luces y sombras, los matices, en fin, la impermanente vida humana.

Un auto pasanos dice, inventa un significante. Julieta no elige hacer narrativa, elige el lenguaje poético para decir la experiencia de la dictadura militar. No es un testimonio, es la transformación en algo nuevo y que al mismo tiempo nos remite a hechos dolorosamente vividos por miles de personas durante el fatídico régimen.

Un auto pasafue publicado originalmente en la revista Nioques (París, 2016), en español y francés. Posteriormente, Carnaval Press (Londres, 2018) lo publica con las traducciones de la autora, sumando las de la escritora y editora Virna Teixeira, en inglés y portugués.

Un auto pasa, la desaparición crea un lenguaje poético.

Fox Island, WA. Febrero 2020.

Gladys Mendía (Venezuela, 1975). Escritora, traductora y editora. Su más reciente libro: El cantar de los manglares(Ediciones Filacteria, 2018).

Sobre Un auto pasa, de Julieta Hanono ou a desaparição cria uma linguagem poética

Por Gladys Mendía

Julieta Hanono, artista argentina, formada em Belas Artes e em Filosofía. Foi militante política desde muito jovem e sequestrada pelos parapolicías na ditadura de Videla e retida em El Pozo, centro de detenção e tortura em Rosário, Argentina.

Sua obra está edificada ao redor e sobre esta experiência traumática. Sua busca expressiva vai pelos caminhos da transformação através da criação de imaginários que deem conta de seu processo pessoal e formam parte da memória de horror que viveu seu país naqueles anos. Julieta tem se posicionado como artista através de diversas obras plásticas e performance que tem apresentado em vários países ao longo destes anos, além de um vídeo titulado El Pozo.

Un auto pasa, é um momento, são segundos. Porém, o que está atrás deste título é memória. Un auto pasa, apresenta uma linguagem fragmentário, sem tempo cronológico e simultaneamente em quatro línguas, quatro visões do mundo. Quatro formas de sentir. A experiência individual forma parte da memória coletiva. O subjetivo é universal.

Transitamos uma atmosfera de incerteza, de estranheza. Mesclam-se as memórias de Julieta e o sequestro, outros sucessos trágicos e a história migrante de seus familiares.

Esta poética está estruturada em mudanças de foco entre a experiência pessoal e a dos outros. É minha interpretação pensar que foi construída assim para tomar distância da própria dor e reconhecer aos outros, criar empatia com a dor dos outros. Evidenciar algo mais profundo que damos por assentado e é a frágil condição humana dependente das circunstâncias externas. Por um lado, à mercê da violência sistemática criada por um governo totalitário. Por outro, à mercê da guerra e sua destruição, as migrações forçadas. Aparições e desaparições, luzes e sombras, os matizes, enfim, a impermanente vida humana.

Un auto pasanos diz, inventa um significante. Julieta não escolhe fazer narrativa, escolhe a linguagem poética para dizer a experiência da ditadura militar. Não é um testemunho, é a transformação em algo novo e que ao mesmo tempo nos remete aos fatos dolorosamente vividos por milhares de pessoas durante o fatídico regime.

Un auto pasa foi publicado originalmente na revista Nioques (París, 2016), em espanhol e francês. Posteriormente foi publicado pela Carnaval Press (Londres, 2018) com as traduções da autora, somando as da escritora e editora Virna Teixeira, em inglês e português.

Un auto pasa, a desaparição cria uma linguagem poética.


Gladys Mendia

Fox Island, WA. Fevereiro de 2020.

(traduzido por Virna Teixeira)

Gladys Mendía (Venezuela, 1975). Escritora, tradutora e editora. Seu libro mais recente, El cantar de los manglares (Ediciones Filacteria, 2018) foi traduzido para o inglês por Jessica Pujol e publicado pela Carnaval Press em 2019.




Julieta Hanono nasceu em Buenos Aires, foi convidada pela Escola de Belas Artes de Paris, e atualmente vive nesta cidade. Estudou Filosofia e Artes Visuais na Universidade de Rosario, Argentina. Tem participado de exposições individuais e coletivas na América do Sul, França e Cuba, com destaque recente para a BienalSur (2017). Seu trabalho dialoga com memória, trauma e psicanálise. O texto original de Un auto pasa, une voiture passe foi publicado na revista Nioques (Paris, 2016).

  • w-facebook
  • Twitter Clean
  • w-flickr